Seap realiza cerimônia de abertura do 2º Curso de Inteligência Penitenciária em Manaus

Objetivo do curso é qualificar servidores para atuarem como agentes de inteligência prisional

#nahora


A Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap), por meio do Departamento de Inteligência Penitenciária (Dipen), realizou, na manhã desta segunda-feira (14/03), a aula inaugural da segunda edição do Curso de Inteligência Penitenciária, voltado a colaboradores e agentes públicos de segurança e controle. A cerimônia foi no auditório do Comando Geral do Corpo de Bombeiros Militar do Amazonas (CBMAM), na avenida Codajás, bairro Petrópolis, zona sul. O objetivo geral é qualificar servidores para atuarem como agentes de inteligência prisional.


Estiveram presentes no evento o secretário titular da Seap, coronel Paulo César; o secretário executivo da pasta, Denis Caetano; o secretário adjunto, coronel André Luiz Gioia; o assessor chefe do departamento de Inteligência Penitenciária, capitão Francisco Camurça; o juiz de Direito, Rômulo Garcia; o oficial da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), Roberto Tanabe; o comandante do 1º Batalhão de Infantaria de Selva (BIS), coronel de infantaria Nilton Velozo Lins; representantes das empresas cogestoras das unidades prisionais, além de outras autoridades.

A segunda edição do curso conta com 40 participantes que integram o quadro de segurança de diversos órgãos públicos do Amazonas, além de membros de departamentos de inteligência de outros estados, como Tocantins, Pará, Distrito Federal, Maranhão e Roraima. As aulas serão ministradas por profissionais altamente renomados da área de segurança pública de todo o país, acontecendo de forma teórica e prática de segunda a sexta, com data de conclusão prevista para o dia 8 de abril.

O secretário de Administração Penitenciária, coronel Paulo César, ressaltou que o curso visa qualificar os agentes para atuar dentro do sistema prisional de forma mais segura.


“Temos o objetivo de capacitar os servidores desta secretaria visando a produção por meio dos conhecimentos especializados no sentido de nivelar conhecimentos, padronizar condutas e documentação, estabelecer vínculo entre os órgãos componentes para fazermos uma gestão que traga segurança para a sociedade”, pontuou.

O assessor chefe da inteligência, capitão Francisco Camurça, explica a finalidade da capacitação ofertada.

“Nosso intuito é capacitar os servidores para aplicação dos fundamentos doutrinários da atividade e procedimentos operacionais, com intuito de credenciá-los como agentes de inteligência prisional, através de orientações básicas sobre a atividade de inteligência”, finalizou.
0 comentário