SAÚDE: Foi um sucesso a cirurgia em criança cardiopata amazonense realizada em Hospital de São Paulo

Hospital da Criança de São José do Rio Preto realizou primeira cirurgia em criança cardiopata amazonense encaminhada pelo Governo do Estado.


#nahora



Foi um sucesso a cirurgia da primeira criança cardiopata amazonense encaminhada pelo Governo do Estado ao Hospital da Criança e Maternidade (HCM) de São José do Rio Preto, no interior de São Paulo, por meio do Tratamento Fora do Domicílio (TFD). Yran Lucas, de um ano e cinco meses, passou por procedimento para correção de uma comunicação interventricular (sopro no coração), na tarde desta terça-feira (04/02), e é um dos primeiros pacientes beneficiados pela parceria firmada entre o Governo do Amazonas e o HCM com o objetivo de reduzir o tempo de espera na fila do Hospital Universitário Francisca Mendes (HUFM), na zona norte de Manaus.


Yran chegou a São José do Rio Preto na segunda-feira (03/02) acompanhado pela mãe, Mairucy Alencar de Sousa, e pela coordenadora da Assistência Social da Secretaria de Estado de Saúde do Amazonas (Susam), Maria Mazzarelo. No mesmo dia, o paciente passou por novos exames na unidade de saúde, estando apto a passar pela cirurgia já nesta terça-feira.


Segundo a chefe da UTI cardiopediátrica do HCM de São José do Rio Preto, Dra. Karolyne Sanches, o procedimento ocorreu conforme o esperado e durou cerca de três horas. “A gente não teve nenhuma intercorrência, foi uma cirurgia bastante curta, e isso é muito importante para a recuperação dele aqui na UTI. Eu acredito que amanhã já vai ter condições excelentes para que a criança, junto com essa mãe, possa estar aos cuidados junto com a equipe para que ela se recupere mesmo e possa ir para a enfermaria da cardiologia pediátrica”, explicou a médica.


De acordo com ela, o paciente amazonense deve ficar internado no HCM pelos próximos cinco dias, período inicial de recuperação pós-cirúrgica. Em seguida, ele e a mãe ficarão hospedados na Casa de Acolhimento que integra o complexo da Fundação Faculdade Regional de Medicina de São José do Rio Preto (Funfarme), a qual o Hospital da Criança e Maternidade é vinculado. Somente após nova avaliação médica é que o paciente será liberado para retornar a Manaus, onde continuará a ser acompanhado pela equipe do Francisca Mendes.


Boa notícia - As horas que antecederam a cirurgia foram de aflição para Mairucy Alencar. “Eu estava muito ansiosa, muito nervosa, inquieta. Foi uma noite muito pensativa para mim, porque vieram mil coisas à minha cabeça. Mesmo o pessoal falando que ia dar tudo certo, mas como mãe sempre tem essa preocupação. Depois que eu soube que a cirurgia foi um sucesso, me acalmei bastante. O meu coração está mais quieto, porque eu não estou mais como estava antes”.


Agora, ela só pensa em estar ao lado do filho dando todo o suporte para que ele possa se recuperar rápido e voltar para casa. “Só vou ficar em paz mesmo, meu coração ficar quieto, quando eu ver meu filho. Ele sorrindo para mim. Não vejo a hora de voltar para casa ver os irmãos dele, o pai dele, que está muito ansioso, e a família. Eu ainda estou nesse aguardo. Espero que daqui para amanhã ou depois ele já esteja do meu lado, rindo como uma criança normal.


Reestruturação – A realização de cirurgia por TFD não foi a única medida adotada pelo Governo do Amazonas para reduzir o tempo de espera de quem está na fila da cirurgia cardíaca. A atual gestão iniciou, ainda no ano passado, um plano de reestruturação do Hospital Universitário Francisca Mendes.


As primeiras medidas já trouxeram resultados. O hospital realizou 52 cirurgias cardíacas em janeiro de 2020, um aumento de 67% em comparação com janeiro de 2019, quando 31 cirurgias foram realizadas.


Após o conserto das duas máquinas de hemodinâmica, 202 procedimentos também foram realizados no mês de janeiro, entre cateterismo, colocação de marca-passo, angiografia, arteriografia e outros.


De imediato, estão sendo instalados seis monitores multiparamétricos, quatro ventiladores pulmonares adultos e 130 acessórios de equipamentos. Os equipamentos começaram a ser instalados na última semana e vão permitir a abertura de mais leitos de UTI e reativação de mais uma sala cirúrgica. Além disso, está sendo adquirido um novo ecocardiograma especialmente para bebês prematuros de baixo peso.


O reforço vai possibilitar a ampliação de sete leitos de UTI, sendo três infantis, além de aumentar o número de cirurgias cardíacas adultas e pediátricas de 15 para 25 por semana.


FOTOS: BRUNO ZANARDO/SECOM

0 comentário