Por unanimidade vereadores livram Gerson D'Ângelo de cassação por quebra de decoro parlamentar

Ação representada pelo Ministério Público foi em votação no Plenário da Câmara Municipal de Manacapuru, nesta terça-feira (03).


#nahora


Foi votado na manhã desta terça-feira (03), na Câmara Municipal de Manacapuru, um processo de cassação do vereador Gerson D'Angelo, por quebra de decoro parlamentar. A ação foi protocolada pelo Ministério Público, que após apuração, identificou possível irregularidade cometida pelo vereador, quando o mesmo adentrou as dependências da Escola Municipal Zoraida Ribeiro Alexandre, sem usar máscara, e ainda, desacatou e ameaçou o gestor da escola Jackson Azevedo e o porteiro do estabelecimento de ensino.



Ao notar que o episódio passou sem relevância pela Câmara Municipal, a promotora Tânia Maria, que encaminhou representação ao poder legislativo que apurasse a quebra de decoro que poderia resultar na cassação do vereador. A pauta entrou em plenário nesta manhã, e por unanimidade os vereadores votaram contra o processo de cassação de Gerson D'Angelo.



Com a decisão, a Câmara de Vereadores, mais uma vez se contradiz nas próprias leis criadas pelo poder legislativo municipal, já que em fevereiro, também por unanimidade tornou obrigatório o uso de máscara na cidade, em lei votada no plenário.


Apesar da votação contra a cassação, os vereadores decidiram pela criação de uma sindicância apuratória dos fatos.


Em tempo

Também na manhã desta terça-feira (03), saiu uma determinação judicial assinada pelo Juíz David Nicollas Vieira Lins, responsável pela 1º Vara de Justiça de Manacapuru, que derrubou a liminar que impedia que o Gestor Jackson Azevedo fosse exonerado do cargo, após impedir que o vereador Gerson D'Angelo entrasse na escola sem máscaras.



Na ocasião do episódio, o vereador que é primo do prefeito, pediu que o gestor fosse exonerado do cargo, ação que comunicada pelo prefeito ao secretário de educação Raimundo Conde, que determinou a exoneração do gestor, ação administrativa que foi tornada sem efeito, após liminar concedida pela justiça.


Porém, após representação da Procuradoria do Município, protocolada pelo Procurador Christian Galvão, junto ao Poder Judiciário, foi expedida uma decisão judicial que torna sem efetividade a liminar concedida anteriormente que mantinha o gestor no cargo.


A cerca de 15 dias, o gestor Jackson Azevedo, já havia sido comunicado do seu afastamento, e agora, com a nova decisão judicial, a prefeitura torna público a exoneração de Jackson, do cargo de gestor da Escola Municipal Zoraida Ribeiro Alexandre.


Veja decisão!


61C0515D-2B60-4E3E-A89B-70D0FBEBD7DA
.pdf
Download PDF • 170KB


0 comentário