PC de Manacapuru investiga suposta ONG que estaria pedindo documentos para ação contra AM Energia

Quatro pessoas estariam visitando moradores da cidade pedindo documentos pessoais alegando que irão entrar na justiça para reaver danos causados durante o apagão que atingiu a cidade em julho/2019.


#nahora

Por Érisson Araújo


A Delegacia Regional de Manacapuru recebeu denúncias de moradores que suspeitaram da ação de quatro pessoas que estariam na cidade dizendo fazer parte de uma ONG que estaria colhendo documentos de pessoais de usuários que se sentiram prejudicados durante o apagão que atingiu a cidade no mês de julho do ano passado.


De acordo com a denúncia, essas pessoas abordavam as casas e pediam que os moradores lhe apresentassem os documentos pessoais para e assinasse um documento para que eles (ONG) tivessem a possibilidade de entrar com uma ação judicial contra a empresa de energia. Nossa equipe conversou com o Delegado Rodrigo Torres, que afirmou a denúncia.


“Nós recebemos essa denúncia e chegamos até o local onde essas pessoas estão hospedadas, eles não estavam no local, mas pedimos que ele procurassem a delegacia, o que aconteceu, eles compareceram na presença de uma advogado, e falaram da tal ação de indenização contra a empresa de energia, porém, nós continuamos apurando se de fato eles fazem parte dessa ONG e qual a real finalidade deles estarem na cidade”. Disse Torres.

Publicidade


O delegado ressaltou ainda, que em caso dessa natureza jurídica, as pessoas podem mover ação direta no Fórum de Justiça, e dependendo do valor a ação, o cliente que se sentiu lesado não precisa de advogado.


“Nós alertamos sobre essa questão de entregar documentos pessoais a estranhos, ainda que os argumentos sejam fortes, é importante sempre a pessoa ter cautela para evitar problemas futuros, no caso de ação judicial contra qualquer que seja a empresa, a pessoa que se sentir lesada de alguma forma, pode procurar o Fórum, e em caso de ações de até 20 salários mínimos a pessoa nem precisa de advogado, muito menos de ONG”. Ressaltou Torres.
0 comentário