Moradores denunciam suposta fraude na escolha dos beneficiários do Residencial Manacapuru

As denúncias vão desde a inclusão de funcionários da SEMAS responsável pelo cadastro até pessoas ligadas por parentesco com o Prefeito de Manacapuru.


#nahora

Por Érisson Araújo


Na tarde da última sexta-feira (25), a Prefeitura de Manacapuru divulgou a lista dos sorteados que receberão uma das 667 casa do Residencial Manacapuru, construído com recursos do Governo Federal do Programa Minha Casa Minha Vida. Logo após a divulgação dos nomes, centenas de pessoas começaram a denunciar o processo de escolha, alegando favorecimento de funcionários da Secretaria de Assistência Social de Manacapuru (SEMAS), pasta responsável por fazer a triagem e escolhas da lista enviada para analise na Caixa Econômica Federal.


“O que mais me doeu, não foi o fato de ter sido enganada, é que atualmente eu moro em um apartamento que tem dois cômodos, então eu divido um quarto com cinco pessoas, e todo os dias a gente se espremia, se arruma aqui para dormir sem reclamar, porque todo mundo tinha em mente que logo estaríamos em nossa casa, que teria um quarto para eles mais confortável, eu dizia isso pra meus filhos, e quando eu me deparei com aquela lista, vi que meu nome não estava lá, foi nos meus filhos que eu pensei, sabe, o que me doeu foi olhar nos rostinhos deles e dizer meus amores, vocês vão ter que esperar mais um pouquinho, porque nós não vamos ter nossa casa, infelizmente o nome da mamãe não veio e vocês ainda não vão ter um quartinho só pra vocês”. Disse uma moradora.


Ganhou repercussão ainda a inclusão na lista de nomes de pessoas ligadas ao Prefeito de Manacapuru Beto D’Angelo, e também de funcionários do Gabinete da Primeira Dama Laura Nicolau e de pessoas ligadas à vereadores da cidade. O grupo de moradores que não foram contemplados, esta mobilizado para procurar o Ministério Público Federal para formalizar a denúncia.


“Nós temos provas cabais que houve fraude, que teve cambalacho, nós temos como provar porque tivemos acesso a primeira lista onde tinha o nome de pessoas que realmente precisam e que agora não apareceu mais. Isso não vai ficar assim, não pode ficar assim, nós vamos até as ultimas instâncias se possível, mas a justiça será feita”. Ressaltou outra moradora, que alega ter tido o nome retirado da lista.

Assim como essas denúncias, algumas pessoas que tiveram o nome incluído nos procuraram para ressaltar a felicidade de estarem conquistando o sonho da casa própria.


“Meu amigo, você acompanhou nossa luta, quantas humilhações passamos, fomos tirados de nossas casas com a promessa que receberíamos uma nova, e lá o sonhado Prosamim ficou abandonado, quantas vezes não sofremos com os alugueis atrasados, precisamos ir para ruas, da a cara a tapa, e hoje eu choro de alegria por estar tendo a oportunidade de ter uma casa para chamar de minha” Disse, uma moradora da área do Prosamim da Liberdade.

Continua após a publicidade


Nossa equipe procurou a Prefeitura de Manacapuru e fomos respondidos pela assessoria de comunicação que disse:


“Todo o processo de sorteio e analise de documentos é realizado pela Caixa Econômica Federal, a Prefeitura de Manacapuru apenas faz os levantamentos e visitas sociais. Não existe qualquer envolvimento de nenhum gabinete no contemplamento e escolha dos beneficiários.
Todo sorteio das residências, foi acompanhado pela gerência da Caixa Econômica, representantes do executivo, legislativo e dos pré-beneficiários, tudo registrado em ata”

Nossa equipe solicitou a lista com as pessoas que foram pré-selecionadas pela Prefeitura de Manacapuru e tiveram o nome enviado para análise da Caixa Econômica Federal, no intuito de fazermos um comparativo visando dar transparência no processo, porém, até o fechamento dessa reportagem não tivemos retorno.


Nossa equipe continuará acompanhando este caso.

0 comentário

Receba nossas atualizações

  • Ícone do Facebook Branco
  • Ícone do Twitter Branco

© 2019 Na Hora Fatos Portal de Notícias - Editor-chefe: Érisson Araújo