FVS-RCP realiza oficina para fortalecer prevenção e monitorar infecções em procedimentos cirúrgicos

Oficina é realizada até esta terça-feira (31/05)


#nahora

Para capacitar equipes de controle de infecção e segurança do paciente de Manaus, a Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas – Drª Rosemary Costa Pinto (FVS-RCP), vinculada à Secretaria de Estado de Saúde (SES-AM), realiza, até esta terça-feira (31/05), a oficina de prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico (ISC), que é a infecção ocorrida na incisão cirúrgica ou em tecidos manipulados durante o procedimento cirúrgico.


A capacitação visa fortalecer as ações de prevenção e monitoramento para reduzir os riscos de infecções em procedimentos cirúrgicos, além de melhorar a qualidade da vigilância pelas Comissões de Controle de Infecções em Serviços de Saúde (CCIHs).

Para a diretora-presidente da FVS-RCP, Tatyana Amorim, as oficinas realizadas pela Comissão Estadual de Prevenção e Controle de Infecção em Serviços de Saúde (Ceciss) da FVS-RCP ajudam as equipes das unidades de saúde se prepararem e aprimorem seus conhecimentos em ISC.

“As oficinas contribuem para que possamos reduzir os riscos de infecção em unidades de saúde, além de capacitar as equipes técnicas para aprimorar a assistência e as formas de prevenção para reduzir as ISC”, ressalta Tatyana.

“As principais medidas de prevenção da infecção de sítio cirúrgico são: higienização das mãos, preparo adequado da pele do paciente (antissepsia), preparo pré-cirúrgico de acordo com os protocolos, esterilidade adequada dos produtos, além do uso correto de antibióticos profiláticos para diminuir o risco de infecção pós-operatória e higiene adequada do ambiente”, destaca Evelyn Campelo, coordenadora do Ceciss.

A enfermeira coordenadora da CCIH do Hospital Francisca Mendes, Thalita Tertuliano, ressalta que a oficina é uma forma de direcionamento das ações realizadas nas unidades de saúde para os pacientes. “Com a oficina a gente não fica somente na teoria, a gente é direcionada a saber o que procurar e como procurar”, aponta Thalita.

“É importante que a gente faça essa atualização, principalmente em conjunto, pois são diferentes as realidades em redes públicas e privadas. A gente pode compartilhar as estratégias que cada unidade de saúde implanta nas suas rotinas para que a gente possa levar a qualidade da assistência para os pacientes” explica Luiz Henrique Maciel, enfermeiro coordenador do CCIH do Hospital Unimed.

Vigilância

A Infecção de Sítio Cirúrgico (ISC) constitui uma das principais infecções relacionadas à assistência à saúde no Brasil e a mais importante causa de complicação pós-operatória no paciente cirúrgico.


Na vigilância das infecções de sítio cirúrgico, utiliza-se o componente cirúrgico do sistema de vigilância das infecções hospitalares, no qual os pacientes devem ser acompanhados até o 30º dia do pós-operatório ou até 90 dias, se houver implante de prótese.

0 comentário