Em parceria com FUnATI, pesquisadoras da UFSM recebem premiação em congresso internacional

No Congresso de Cérebro, Comportamento e Emoções, em Gramado (RS), duas pesquisadoras ficaram nas melhores classificações

#nahora


A Fundação Universidade Aberta da Terceira Idade (FUnATI), em parceria com a Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), teve trabalhos de pesquisas apresentados e premiados no 21º Congresso de Cérebro, Comportamento e Emoções, realizado entre os dias 1º e 4 de junho, em Gramado (RS). A parceria é realizada pelo Centro de Pesquisa, Ensino e Desenvolvimento Tecnológico (Gerontec), que tem o apoio de pesquisadores que desenvolvem compostos a partir da biodiversidade amazônica no Laboratório de Biogenômica da UFSM.


Os trabalhos premiados foram realizados pela doutoranda em Farmacologia, Bárbara Osmarin Turra, com o tema “Impacto do bisfenol A na viabilidade, proliferação e morfologia de células neuronais”, e pela estudante de Medicina, Luiza Elizabete Braun, enfocando “Parâmetros inflamatórios de um suplemento alimentar à base de guaraná, selênio e L-carnitina em modelos in vitro e in vivo”.

Ambos os trabalhos receberam a premiação Jovem Pesquisador e foram desenvolvidos com o apoio da Fundação de Amparo e Pesquisa à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) e da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio Grande do Sul (Fapergs).

O congresso acontece anualmente e tem a participação de psiquiatras, neurologistas, geriatras, neuropsicólogos, psicólogos e neurocientistas de vários países. O evento é uma oportunidade de mostrar os estudos desenvolvidos a partir de compostos amazônicos para pesquisadores do mundo todo, como afirma o reitor da FUnATI, Euler Ribeiro.

“Receber uma premiação em um congresso tão reconhecido é uma grande honra, pois reforça que, junto com as instituições parceiras, estamos desenvolvendo trabalhos com relevância científica, e consequentemente, irão refletir em benefícios para a sociedade”, enfatiza o reitor.

Sobre as pesquisas

O trabalho de Bárbara Osmarin Turra enfoca a atuação do bisfenol A, ou BPA, composto orgânico sintético encontrado na indústria de plásticos, resinas epóxi e composições têxteis, como causador de anomalias hormonais.

Já a pesquisa de Luiza Elizabete Braun é um estudo pré-clínico sobre a esclerose múltipla, no qual os suplementos alimentares à base de guaraná apresentam adjuvantes para a melhora do quadro clínico.

0 comentário