A arte sendo usada como ferramenta de mudança e recomeço para os detentos de Anamã

Presos estão buscando no artesanato uma maneira para ocupar o tempo ocioso, sustentar a família e diminuir a pena.


#nahora

Por Érisson Araújo


Papel ofício, palito de picolé, tintas e recicláveis, esses são os materiais utilizados no Projeto “Ressocialização pelo artesanato” que é desenvolvido pela Policia Militar no 3º GPM de Anamã e tem transformado a vida dos detentos daquele município. A iniciativa foi do Tenente Ailton Sidney que comanda a unidade policial ligada ao 9º Batalhão de Policia Militar com sede em Manacapuru.





O objetivo, explica Ailton é dá uma oportunidade aos presos para mostrarem seus talentos através da arte.


“Nós iniciamos esse projeto e deu muito certo, pois com isso nós estamos atacando várias frentes, principalmente a da ressocialização, onde os presos estão aprendendo uma profissão, além de terem uma oportunidade de reduzir a pena através da Lei de Execução Penal, que prever isso aos presos que trabalham nas unidades prisionais”. Disse


Publicidade



E a criatividade dos detentos é algo admirável, com esses simples materiais eles conseguem confeccionar porta-retratos, vários modelos de pequenas embarcações, além de lembranças artesanais. O bom, de acordo com Ailton é que os presos no dia de visita entregam os materiais produzidos aos familiares que os vendem gerando uma renda, que tem ajudado no sustento da família.


“Isso é o mais bacana porque a família tem se envolvido nesse processo e tem incentivado os detentos a participar do projeto, e todos os sábados quando eles vem para a visita, levam esses barquinhos, e todo o material para ser vendido, e a sociedade tem abraçado a ideia comprando esses materiais e assim gerado renda para as famílias”. Destacou.


Os barquinhos e artesanatos viraram febre na cidade de Anamã, viraram enfeite das salas casas e artigos de decoração de bares e comércios da cidade.


“Os presos estão motivados e ocupados com algo útil, acabamos com a ociosidade e também as tentativas de fugas, as confusões dentro da carceragem também cessaram. E a questão da redução de pena está sendo vista como uma oportunidade por eles, inclusive tivemos uma detenta que teve progressão de regime graças a participação no projeto, algo que foi citado na decisão judicial”. Afirmou.

O que parece uma simples ação tem transformado a vida dos presos de Anamã.

0 comentário